7.6.09

Que nunca seque a àgua em que mergulhamos

Que nunca acabe o filme que partilhámos

Que nunca se esgote a cafeína que já bebemos

Que nunca se tornem obssessivas as paixões que sintonizamos

Que nunca sooe a última badalada do relógio

Que nunca se dê o término da linha de comboio em que viajámos

Que nunca se liquefaça a inspiração mútua

Que nunca alcancemos a última paisagem do cenário

Que nunca se vista o preconceito

Que nunca se dispa a sinceridade

Que nunca se mastigue o arrependimento

Que nunca se circule na mágua

Que nunca nenhum de nós caía em esquecimento

Que nunca se expire a poesia

Que nunca se fume o último cigarro

Que nunca se derrame a última lágrima

Que nunca se esboce o último sorriso

Que nunca se tire a última fotografia

Que nunca chege o limite

Que nunca se declare o fim.

Pois se assim for, que se trave o Universo. Não o queremos sob nenhuma condição.

Viveremos no INFINITO, e que nunca morrámos ao tentar lá chegar.

 

 

Vos dedico.

link do postPor Freddy, às 21:36  comentar